ILHA SOLTEIRA - SP, É QUASE UM PARAISO!!

ILHA  SOLTEIRA - SP,  É QUASE UM PARAISO!!
OS MEUS JARDINS E QUINTAIS EM MINHA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA !! A Minha Amada, deitada eternamente em berço esplêndido; ao som do Rio Paraná e à luz deste céu profundo!! (Crédito da Foto: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=210844 )

Cidade Gaúcha - Noroeste do Estado do Paraná

Cidade Gaúcha - Noroeste do Estado do Paraná
Meu Lar Cidade!! Aqui sou abençoado em 21 anos de lutas em prol das garantias essenciais de vida ao Povo! (Imagem Google Earth)

OUÇA A RÁDIO DO VAL!! (Se preferir não ouvir clic em Stop)

A LognPlay mantém contratos com o ECAD (Órgão para o repasse dos direitos autorais) e com a ABLF - Associação Brasileira de Licenciamento Fonográfico.

CORAÇÃO CIVIL

PARA ASSISTIR AOS VÍDEOS CLIC EM II (Pause) NO RÁDIO ACIMA.

__________________________________________

domingo, 14 de março de 2010

14 DE MARÇO - DIA NACIONAL DA POESIA

EM HOMENAGEM AO GRANDE MESTRE POETA
THIAGO DE MELLO

CRÉDITO: http://br.groups.yahoo.com/group/india_amazonia/message/363

Para os que virão
Thiago de Mello

Como sei pouco, e sou pouco,
faço o pouco que me cabe
me dando inteiro.
Sabendo que não vou ver
o homem que quero ser.

Já sofri o suficiente
para não enganar a ninguém:
principalmente aos que sofrem
na própria vida, a garra
da opressão, e nem sabem.

Não tenho o sol escondido
no meu bolso de palavras.
Sou simplesmente um homem
para quem já a primeira
e desolada pessoa
do singular - foi deixando,
devagar, sofridamente
de ser, para transformar-se
- muito mais sofridamente -
na primeira e profunda pessoa
do plural.

Não importa que doa: é tempo
de avançar de mão dada
com quem vai no mesmo rumo,
mesmo que longe ainda esteja
de aprender a conjugar
o verbo amar.

É tempo sobretudo
de deixar de ser apenas
a solitária vanguarda
de nós mesmos.
Se trata de ir ao encontro.
(Dura no peito, arde a límpida
verdade dos nossos erros. )
Se trata de abrir o rumo.

Os que virão, serão povo,
e saber serão, lutando.


14 DE MARÇO - DIA NACIONAL DA POESIA

O Dia Nacional da Poesia é comemorado em homenagem ao nascimento de Castro Alves, em 14 de março de 1847. Poeta do romantismo, ele foi um dos maiores nomes da poesia brasileira.
A poesia, ou gênero lírico, ou lírica é uma das sete artes tradicionais, pela qual a linguagem humana é utilizada com fins estéticos, ou seja, ela retrata algo que tudo pode acontecer dependendo da imaginação do autor como a do leitor. "Poesia, segundo o modo de falar comum, quer dizer duas coisas. A arte, que a ensina, e a obra feita com a arte; a arte é a poesia, a obra poema, o poeta o artífice." O sentido da mensagem poética também pode ser importante (principalmente se o poema for em louvor de algo ou alguém, ou o contrário: também existe poesia satírica), ainda que seja a forma estética a definir um texto como poético. A poesia compreende aspectos metafísicos (no sentido de sua imaterialidade) e da possibilidade de esses elementos transcenderem ao mundo fático. Esse é o terreno que compete verdadeiramente ao poeta.

Num contexto mais alargado, a poesia aparece também identificada com a própria arte, o que tem razão de ser já que qualquer arte é, também, uma forma de linguagem (ainda que, não necessariamente, verbal). Poesia é uma arte literária e, como arte, recria a realidade. O poeta Ferreira Gullar diz que o artista cria um outro mundo “mais bonito ou mais intenso ou mais significativo ou mais ordenado – por cima da realidade imediata”.
Para outros, a arte literária nem sempre recria. É o caso de Aristóteles, filósofo grego que afirmava que “a arte literária é mimese (imitação); é a arte que imita pela palavra”.
Declamando ou escrevendo, fazer poesia é expressar-se de forma a combinar palavras, mexer com o seu significado, utilizar a estrutura da mensagem. Isto é a função poética.

A poesia sempre se encontra dentro de um contexto cultural e histórico. Os vários estilos poéticos, as fases de cada autor, os acontecimentos da época e tantas outras interferências muitas vezes se misturam à obra e lhe dão novos significados.

A poesia, no seu sentido mais restrito, parte da linguagem verbal e, através de uma atitude criativa, transfigura-a da sua forma mais corrente e usual (a prosa), ao usar determinados recursos formais. Em termos gerais, a poesia é predominantemente oral - mesmo quando aparece escrita, a oralidade aparece sempre como referência quase obrigatória, aproximando muitas vezes esta arte da música.
GÊNEROS POÉTICOS
Permitem uma classificação dos poemas conforme suas características. Por exemplo, o poema épico é, geralmente, narrativo, de longa extensão, grandiloqüente, aborda temas como a guerra ou outras situações extremas. Dentro do genéro épico, destaca-se a epopéia. Já o poema lírico pode ser muito curto, podendo querer apenas retratar um momento, um flash da vida, um instante emocional. Poesia é a expressão de um sentimento, como por exemplo o amor. Vários poemas falam de amor. O poema, é o seu sentimento expressado em belas palavras, palavras que tocam a alma. Poesia é diferente de poema. o Poema é a forma que se está escrito e a poesia é o que dá a emoção ao texto.
Definição sucinta de poesia: é a arte de exprimir sentimentos por meio da palavra ritmada. Essa definição torna-se insuficiente quando se volta o olhar para a poesia social, a política ou a metapoesia. Com o advento da poesia concreta, o próprio ritmo da palavra foi anulado como definição de poesia, valorizando mais o sentido. O poema passa a ter função de exprimir sucintamente e entre linhas o pensamento do eu-lírico. A narrativa também pode fazer isso, mas a maioria dos poemas, com exceção dos épicos, não se baseia num enredo. A mensagem do autor é muito mais importante do que a compreensão de algum fato.
A POESIA NO BRASIL
É possível que a história da Poesia no Brasil comece com os Jesuítas, no primeiro século da colonização do Brasil (XVI); ou, mais exatamente, com José de Anchieta, jovem jesuíta das Canárias, evangelizador e mestre, que escrevia versos à Virgem nas areias da praia (é o que se conta).
A poesia do Brasil se desenvolveu ao longo dos séculos, passando por várias escolas até chegar ao momento atual, o chamado de pós-modernismo, onde não temos mais regras únicas para a produção poética, e a mesma segue o estilo de cada autor.
Pessoalmente, entendo que, não regrar a produção poética é imprescindível; pois, liberta o autor; quebra correntes que aprisionam a própria inspiração que toca a essência da alma, de onde faz fluir o êxtase poético. Comparando - não regrar – é o mesmo embate de várias correntes de pensamentos, onde divergem; por exemplo, sobre a questão da reforma ortográfica: para uns, é importante tal acontecimento; já para muitos, não tem valor algum e não acrescenta em nada à riqueza já existente em nossa Língua Portuguesa; é apenas uma questão política mal engendrada.
POESIA POPULAR: A RIQUEZA DO NORDESTE.
O estilo poético nordestino é rico em folclores, lendas e valores regionais. Encontra-se principalmente associado à música, com destaque para os violeiros. A partir da viola se desenvolvem os desafios, emboladas, repentes, cantorias, um sem-fim de ritmos e estilos próprios dos cantadores da região.
A cantoria, por exemplo, consiste em um improviso, em tom de desafio, entre repentistas. Seu primeiro representante é Romano do Teixeira, da Serra do Teixeira, no estado da Paraíba, ainda no século XIX.
Antônio Alves da Silva, o Patativa do Assaré, do Ceará, é emblema da poesia popular nordestina. O apelido se refere a uma ave do sertão, a patativa, e à cidade perto da qual o poeta nasceu. Patativa faleceu em 2002, mas ficaram seus versos, falando sobre o sofrimento do povo. Seu estilo possui um acento social e muitas vezes satírico. Assim como a maioria dos poetas regionais, Patativa do Assaré nunca chegou a freqüentar escola e sempre compôs de memória. Desprezava a gramática – para ele, "uma grande besteira", preferindo o registro das coisas como são ditas e ouvidas. Assim falava Patativa, criticando o aparelho de televisão:

Presente Disagradável

"Toda vez que eu ligo ele

No chafurdo das novela

Vejo logo os papo é feio

Vejo o maior tumaré

Com a briga das mulhé

Querendo os marido alheio

Do que adianta ter fama?

Ter curso de Faculdade?

Mode apresentar programa

Com tanta imoralidade !"

As poesias regionais do Nordeste geralmente são encontradas no formato de libretos de cordel. A poesia de cordel recebe este nome por causa de uma velha tradição em Portugal. No século XVII, era comum os folhetos fossem colocados à venda pendurados em um barbante, presos por pregadores de roupa. Barbante, corda, cordel – os cantadores e repentistas nordestinos adotaram este costume, pendurando seus versos e popularizando o que é hoje um dos principais símbolos da cultura popular brasileira.

A POESIA RESSUSCITA MOMENTOS!!

SAUDADES: Ouvindo uma canção de ninar de Minha Filha Sara - com 4 anos - em 1997.


Saudade

Bom igual a um doce,
Bonita como uma flor,
Alegre como um sorriso que se realiza,
Feliz como na chuva é a brisa,
Brilho de um olhar
Que nunca e jamais deixou de brilhar.

É como as águas do rio que correm pro mar
E do mar se desprendem – sobem ao céu
Pra novamente um dia a Terra voltar,
Mas, quando será?!

É como lembrar de ter visto a tua face – estampada,
Refletida no olhar da tua pessoa mais amada.

Tem momentos em que saudade realiza o verbo amar,
E em momentos em que eu repouso, passivo e anjo posso sonhar;
E no sonho, na tela dos meus olhos fechados,
Vislumbro teu jeito, e teu olhar,
Sem ter jamais vontade de acordar.

Repartir o dia,
A saudade é como uma poesia,
Que guardamos no coração sem querermos escrevê-la;
Mas, quando se torna mais forte,
É necessário declamá-la, ler e vivê-la!
E vivendo-a, torna-se, forma-se em amor,
Presente! Pra sempre! Eternamente!

A saudade é e está na vida,
Que escrevemos e vivemos, lembrando momentos
Tecidos de sentimentos,
E guardamos no coração.

Saudade é, está e será
À vontade de ouvir tua boca falar,
Meu nome chamar,
Teus braços a me enlaçar,
Sentir teu cheiro
E no teu colo repousar.

Val Minillo. Ed. 030426.2005

PARA LER ALGUMAS POESIAS DO POETA THIAGO DE MELLO, CLIC E ACESSE O LINK ABAIXO:

http://www.revista.agulha.nom.br/tmello.html

Nenhum comentário: