ILHA SOLTEIRA - SP, É QUASE UM PARAISO!!

ILHA  SOLTEIRA - SP,  É QUASE UM PARAISO!!
OS MEUS JARDINS E QUINTAIS EM MINHA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA !! A Minha Amada, deitada eternamente em berço esplêndido; ao som do Rio Paraná e à luz deste céu profundo!! (Crédito da Foto: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=210844 )

Cidade Gaúcha - Noroeste do Estado do Paraná

Cidade Gaúcha - Noroeste do Estado do Paraná
Meu Lar Cidade!! Aqui sou abençoado em 21 anos de lutas em prol das garantias essenciais de vida ao Povo! (Imagem Google Earth)

OUÇA A RÁDIO DO VAL!! (Se preferir não ouvir clic em Stop)

A LognPlay mantém contratos com o ECAD (Órgão para o repasse dos direitos autorais) e com a ABLF - Associação Brasileira de Licenciamento Fonográfico.

CORAÇÃO CIVIL

PARA ASSISTIR AOS VÍDEOS CLIC EM II (Pause) NO RÁDIO ACIMA.

__________________________________________

domingo, 18 de março de 2012

Cidade Gaúcha e os crimes ambientais contra arborização pública.


Em Cidade Gaúcha, Estado do Paraná: crimes ambientais contra arborização pública é uma prática quase institucionalizada.

Quiçá, se em nosso Município de Cidade Gaúcha - PR, as relações de simbiose* com as vidas vegetais fossem assim, igual a estas formas de inquilismo*, o nosso povo seria muito mais feliz!!


Simbiose: Biol. Vida em comum de dois animais ou vegetais de espécies diferentes em qualquer uma de várias relações mutuamente vantajosas ou necessárias.

Inquilinismo: É um tipo de relação ecológica entre organismos de diferentes espécies. O inquilinismo é definido como uma associação interespecifica harmônica, na qual apenas uma espécie é beneficiada sem, entretanto, existir prejuízo para a outra espécie associada. O inquilino obtém abrigo (proteção) ou ainda suporte no corpo da espécie hospedeira.


Não bastassem os variados crimes ambientais já ocorridos contra a arborização pública nas duas últimas gestões pública municipal em Cidade Gaúcha – PR (2004 a 2012), os fatos estão se perpetuando. Embora os crimes foram denunciados, aberto os inquéritos policiais, inclusive para averiguação de crimes praticados em prédios e instalações do poder público municipal, além de outros crimes ambientais; não se encontram nenhum histórico dos trâmites processuais que foram realizados. Grande parte da população, com ênfase os simpatizantes e militantes nas causas ecológicas e ambientais, tem notado em nosso cotidiano as formas desenfreadas do desrespeito praticado por parte da população; havendo também fatos de descaso e falta de atenção por parte dos gestores – como se o tratamento a ser dado à vegetação da arborização pública fosse algo a ser tratado sem responsabilidade alguma, e, de qualquer forma que for tomada às decisões está tudo bem, ou tanto faz...

E assim, tais crimes por aqui cotidianamente praticados, acabam denotando, que os erros das quase regras, embora não estejam oficializados pelos poderes públicos; tais erros e crimes estão também quase institucionalizados. Os crimes de desrespeitos contra as nossas árvores, só não estão ainda institucionalizados, em razão de ainda tais matérias não terem sidas apreciadas, legisladas, regulamentadas, e estarem firmados em forma legal (portaria, decreto, lei); pois, o bom senso e a decência ao tratamento e o real respeito em relação a nossa arborização está apenas inscrito em nossa Lei do Código de Posturas Municipal; porém, a prática é contrária, é demente, e endossada, sob o  pretexto da utilidade pública e em nome do interesse de alguns.  A pergunta que há tempos está no ar, que muitos me fazem com relação aos cortes de árvores, é sobre as formas de tais práticas, sobre a legalidade, e sobre o dinheiro gerado com a madeira retirada das árvores públicas.  Para onde vai o dinheiro ?!!  

Algo a salientar: O mais esquisito é que as autorizações para os cortes das árvores (justificáveis ou não, legais ou não), tais autorizações são emitidas por parte de vereador.

Mais esquisito ainda é tentar entender, como pode vereador decidir atos legais que competem ao Poder Executivo. Qual é o sinônimo dessa prática???   

Abaixo estão os maus exemplos praticados contra as nossas árvores. E os Poderes Executivo e Legislativo não estão nem aí com tais crimes...

Árvores transformadas em lixeiras, tendo pregos, grades, ganchos fixados nas árvores para servirem como suportes... Os lixos são coletados pelo poder público, sem hesitação e sem questionamento algum.  Por assim ser, é que tantos entendem que aqui em Cidade Gaúcha, os crimes ambientais contra a arborização pública é uma prática quase institucionalizada.






As árvores servem também para a colocação de cartazes comerciais.

Parte da população de todas as classes e seguimentos sociais utilizam árvores como lixeiras.


Exemplo de como ERA feito em órgão público a colocação de lixos destinados à coleta pública. O problema foi parcialmente resolvido: uma lixeira foi instalada, porém, ainda é depositado muito lixo ao pé da árvore. É necessário melhorar.


Um prego feito de vergalhão com diâmetro de 3/8" utilizado em construção civil, para servir como suporte para sacos de lixo.


Por aqui, em nossa Cidade, esta é uma prática tão simples e constante. Os autores e as autoridades deveriam testar este tipo de dor em suas próprias mãos, e pés. Assim, a visão e o sentimento relacionados ao respeito a ser dado para a arborização poderia ser outro...



Quase duas dezenas de árvores cortadas, sob pretexto de segurança dos moradores.  


Crime ambiental: 8 árvores envenenadas em estádio municipal. Todas as árvores secaram.


As árvores foram perfuradas com furadeiras, e foram injetados venenos.

E a Lei, o que diz ?!

Veja abaixo. Clic nas imagens para ampliar, ou aumente o zoom em seu monitor.




QUAL A JUSTIFICATIVA ?!


Pau-ferro  (Árvore medicinal)
  • Nome Científico: Caesalpinia ferrea
  • Sinonímia: Caesalpinia leiostachya, Apuleia ferrea
  • Nome Popular: Pau-ferro, Jacá, Ibirá-Obi, Imirá-Itá, Jucá, Pau-ferro-do-ceará, Jucaína, Icainha, Muiarobi, Muiré-itá
  • Família: Fabaceae
  • Divisão: Angiospermae
  • Origem: Brasil
  • Ciclo de Vida: Perene
O pau-ferro é um árvore perenifólia a semi-decídua, nativa da mata atlântica, ocorrendo do sudeste ao nordeste do Brasil, nas florestas pluviais de encosta atlântica (floresta ombrófila densa). A copa é arredondada e ampla, com cerca de 6 a 12 metros de diâmeto. O porte é imponente, atingindo de 20 a 30 metros de altura. O tronco apresenta 50 a 80 cm de diâmetro. Ele é claro, marmorizado, liso e descamante, o que lhe confere em efeito decorativo interessante. As folhas são compostas bipinadas, com folíolos elípticos de cor verde-escura. A floração ocorre no verão e outono. As flores são amarelas, pequenas, e de importância ornamental secundária. Os frutos são vagens duras que amaduressem no inverno. Parte dos frutos cai, enquanto que uma boa parte ainda permanece na planta, formando um banco de sementes aéreo.



"Enquanto os homens exercem
Seus podres poderes... ..."

"... num país onde as leis são descartáveis
Por ausência de códigos corretos..."


Senhor DEUS,
nos abençoe para lutarmos contra todas as formas de poder que promovem a Cultura da Morte.

As árvores de nossa Cidade Gaúcha, também merecem respeito!!



עץ
 

2 comentários:

Anônimo disse...

A vida é uma Dádiva de Deus.

Quem contra a vida se opõe, ou permitem os crimes contra a vida, alia-se a propagação do mal e dos criadores do mal. permitem os poderes luciféricos sobre o Plano Terreno.

As árvores foram criadas em benefício aos homens. É um dos princípios da criação de Deus, nos Planos do Senhor Absoluto.

Aos que devem zelar pela vida com responsabilidades maiores, será cobrado o erro pelos danos causados aos que sofrerem as consequencias causadas pelo crime.

Anônimo disse...

Sempre quando passo em gaúcha pela canavieira indo a Umuarama, tenho visto muito lixo pendurado em árvores.

Que péssima conduta!

M. A.