ILHA SOLTEIRA - SP, É QUASE UM PARAISO!!

ILHA  SOLTEIRA - SP,  É QUASE UM PARAISO!!
OS MEUS JARDINS E QUINTAIS EM MINHA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA !! A Minha Amada, deitada eternamente em berço esplêndido; ao som do Rio Paraná e à luz deste céu profundo!! (Crédito da Foto: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=210844 )

Cidade Gaúcha - Noroeste do Estado do Paraná

Cidade Gaúcha - Noroeste do Estado do Paraná
Meu Lar Cidade!! Aqui sou abençoado em 21 anos de lutas em prol das garantias essenciais de vida ao Povo! (Imagem Google Earth)

OUÇA A RÁDIO DO VAL!! (Se preferir não ouvir clic em Stop)

A LognPlay mantém contratos com o ECAD (Órgão para o repasse dos direitos autorais) e com a ABLF - Associação Brasileira de Licenciamento Fonográfico.

CORAÇÃO CIVIL

PARA ASSISTIR AOS VÍDEOS CLIC EM II (Pause) NO RÁDIO ACIMA.

__________________________________________

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Código Florestal - Veta, Dilma!!

Veta, Dilma!




Ávidos por ampliar as terras cultiváveis, a bancada ruralista e o lobby agropecuário pesado, maioria no Congresso, deram uma banana para o que pensa a sociedade brasileira e os ambientalistas e aprovaram o Código Florestal na quarta-feira passada, 25. Mais grave, a Câmara dos Deputados conseguiu piorar o texto que saiu do Senado, que, basicamente, anistia quem desmatou ilegalmente na última década, deixa grandes áreas que não serão reflorestadas e reduz o que os produtores devem proteger. Ou seja, aprovaram um texto que incentiva novos desmatamentos. Estudo da Universidade de Brasília estima que a nova Legislação poderá aumentar em 47% o desmatamento no país até 2020. O Brasil investe numa agricultura de fronteira, que avança derrubando tudo o que vem pela frente, deixa a terra careca, cria uma paisagem monótona e desumana e que, depois de explorada, está árida.

Embora a Amazônia seja nossa última fronteira, ela não é a única área ameaçada. Todas as áreas naturais, florestas ou não, podem virar paisagem do agronegócio. O Brasil será o maior produtor de alimento do mundo em dez anos, desbancando os Estados Unidos. Essa conquista se dará com a expansão do agronegócio, um modelo que concentra terras, produz para exportação, expulsa o povo do campo, depende de agrotóxicos e monocultivo, gera lucro para transnacionais, mas mantém a fome e a pobreza no Brasil. O custo de ser o maior país agrícola do mundo é alto — perda de biodiversidade, êxodo rural, erosão e compactação do solo, poluição do ar e do solo, redução dos recursos hídricos (a agricultura é responsável por 70% do consumo humano de água), perda de matéria orgânica do solo, inundação e salinização de terras irrigadas e desaceleração da taxa de crescimento da produção alimentar.


É provável que seu filho e a nova geração inteira só conheçam uma área natural nativa na wikipedia e que se alimentem de produtos industrializados derivados de meia dúzia de grãos transgênicos. Ser o gigante agrícola também não significa acabar com a fome, nem melhorar a qualidade e a diversidade dos alimentos. De acordo com Joel Cohen, chefe do Laboratório de Populações da Universidade Rockefeller (EUA), entre 2009 e 2010, o mundo produziu 2,3 toneladas de cereais. Do total, 46% foi para a boca das pessoas, 34% para animais e 18% para máquinas (biocombustíveis e plásticos). Cerca de 90% da soja cultivada no mundo serve para alimentar animais. Ele diz que nosso sistema econômico não precifica gente que passa fome, ou seja, a fome é economicamente invisível. "Com o que se planta agora, poderíamos alimentar de 9 a 11 bilhões de pessoas, mas 1 bilhão passa fome", afirma Cohen. O sistema econômico também não precifica quanto vale deixar uma floresta em pé, manter o solo vivo, deixar o agricultor e o extrativista no campo e dar-lhe vida digna, preservar espécies vegetais nativas e os animais são e salvos.


Na mesma noite da aprovação do Código Florestal, eu e minha colega jornalista e pesquisadora Claudia Visoni palestramos sobre a revolução dos alimentos durante um festival de aprendizagem. A plateia era pequena e calorosa e representa a força da resistência e a vontade de conquistar novos espaços para discutir, fomentar e cobrar o modelo de desenvolvimento que nós, brasileiros, a massa, os 99%, queremos. Baseados nos dados do Censo Agropecuário de 2006, comparamos o agronegócio com a agricultura camponesa. Repare: enquanto um gera 1,7 empregos por 100 hectares, o outro gera 15. Um produz 30% dos alimentos, o outro 70%. O primeiro utiliza 76% (!!!) das terras, o segundo, 24%. E, por fim, o agronegócio recebe 84% dos créditos $$$ do governo enquanto a agricultura camponesa apenas 14%. Insistimos no modelo agroecológico para crescermos em grandeza ética, cultural, política, econômica, social e ecológica.


Em junho, o Brasil sediará a Rio+20. Que condições o país tem de receber chefes de Estado de todo o mundo para discutir a sustentabilidade planetária, se aprovar, semanas antes, uma lei que praticamente destrói a conservação da floresta nativa e incentiva a agricultura de fronteira? Nas redes sociais fervilha a campanha pelo veto ao novo Código Florestal: #Veta Dilma. Temos que cobrar a promessa de campanha da presidente Dilma de vetar qualquer reforma que estimule o desmatamento ou anistie assassinos da floresta. Acho que a presidente está precisando ser lembrada do que prometeu para se eleger.


Veja aqui a campanha do Greenpeace contra o novo código florestal


Assita ao video da WWF sobre as trágicas consequências do desmatamento para a vida das pessoas no campo e nas cidades.


FONTE: http://br.noticias.yahoo.com/blogs/habitat/veta-dilma-220803232.html


(Para assistir aos vídeos, clic em II Pause no Player ao início do Blog).

Código Florestal - WWF-Brasil e SOS Florestas


Código Florestal: Veta, Dilma. ( GREENPEACE )


Nenhum comentário: