ILHA SOLTEIRA - SP, É QUASE UM PARAISO!!

ILHA  SOLTEIRA - SP,  É QUASE UM PARAISO!!
OS MEUS JARDINS E QUINTAIS EM MINHA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA !! A Minha Amada, deitada eternamente em berço esplêndido; ao som do Rio Paraná e à luz deste céu profundo!! (Crédito da Foto: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=210844 )

Cidade Gaúcha - Noroeste do Estado do Paraná

Cidade Gaúcha - Noroeste do Estado do Paraná
Meu Lar Cidade!! Aqui sou abençoado em 21 anos de lutas em prol das garantias essenciais de vida ao Povo! (Imagem Google Earth)

OUÇA A RÁDIO DO VAL!! (Se preferir não ouvir clic em Stop)

A LognPlay mantém contratos com o ECAD (Órgão para o repasse dos direitos autorais) e com a ABLF - Associação Brasileira de Licenciamento Fonográfico.

CORAÇÃO CIVIL

PARA ASSISTIR AOS VÍDEOS CLIC EM II (Pause) NO RÁDIO ACIMA.

__________________________________________

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Umbuzeiro. Árvore de fruto sagrado!

Umbuzeiro, uma planta de grande importância para o Nordeste brasileiro.

Nome Científico: Spondias Tuberosa
Nome Popular: Umbuzeiro, Imbuzeiro, Cajá Umbú
Família: Anacardiaceae
Divisão: Dicotyledoneae
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Perene


A riqueza do umbuzeiro (Luiz Epstein)

ASPECTOS GERAIS E AGRONÔMICOS

O umbuzeiro ou imbuzeiro, Spondias tuberosa, L., Dicotyledoneae, Anacardiaceae, é originário dos chapadões semi-áridos do Nordeste brasileiro; nas regiões do Agreste (Piauí), Cariris (Paraíba), Caatinga (Pernambuco e Bahia) a planta encontrou boas condições para seu desenvolvimento encontrando-se, em maior número, nos Cariris Velhos, seguindo desde o Piauí à Bahia e até norte de Minas Gerais. No Brasil colonial era chamado de ambu, imbu, ombu, corruptelas da palavra tupi-guarani "y-mb-u", que significava "árvore-que-dá-de-beber". Pela importância de suas raízes foi chamada "árvore sagrada do Sertão" por Euclides da Cunha.

O umbuzeiro é uma árvore de pequeno porte em torno de 6m de altura, de tronco curto, esparramada, copa em forma de guarda-chuva com diâmetro de 10 a 15m projetando sombra densa sobre o solo, vida longa (100 anos), é planta xerófila. Suas raízes superficiais exploram 1m de profundidade, possuem um órgão (estrutura) - túbera ou batata - conhecida como xilopódio que é constituído de tecido lacunoso que armazena água, mucilagem, glicose, tanino, amido, ácidos, entre outras. O caule, com casca cor cinza, tem ramos novos lisos e ramos velhos com ritidomas (casca externa morta que se destaca); as folhas são verdes, alternas, compostas, imparipenadas, as flores são brancas, perfumadas, melíficas, agrupadas em panícula de 10-15cm de comprimento. O fruto - umbu ou imbu - é uma drupa, com diâmetro médio 3,0cm, peso entre 10-20 gramas, forma arredondada a ovalada, é constituído por casca (22%), polpa (68%) e caroço (10%). Sua polpa é quase aquosa quando madura. Semente arredondada a ovalada, peso de 1 a 2,0 gramas e 1,2 a 2,4cm de diâmetro, quando despolpada. O fruto é muito perecível.


O umbuzeiro perde totalmente as folhas durante a época seca e reveste-se de folhas após as primeiras chuvas. A floração, pode iniciar-se após as primeiras chuvas independentemente da planta estar ou não enfolhada; a abertura das flores dá-se entre 0 hora e quatro horas (com pico as 2 horas). 60 dias após a abertura da flor o fruto estará maduro. A frutificação inicia-se em período chuvoso e permanece por 60 dias. A sobrevivência do umbuzeiro, através de tantos períodos secos, deve-se à existência dos xilopódios que armazenam reservas que nutrem a planta em períodos críticos de água.

O umbuzeiro cresce em estado nativo, nas caatingas elevadas de ar seco, de dias ensolarados, e noites frescas. Requer clima quente, temperatura entre 12ºC e 38ºC, umidade relativa do ar entre 30% e 90%, insolação com 2.000-3.000 horas/luz/ano e 400mm a 800mm de chuva (entre novembro e fevereiro), podendo viver em locais com chuvas de 1.600 mm/ano. Vegeta bem em solos não úmidos, profundos, bem drenados, que podem ser arenosos e silico-argilosos. Evitar plantio em solos que estejam sujeitos ao encharcamento.

Colheita / rendimento

O pé franco do umbuzeiro inicia produção a partir do 8º ano de vida. A maturação do fruto é observada quando a cor da sua casca passa do verde ao amarelo. Maduro o fruto cai ao chão, sem danificar-se; deve-se preferir frutos arredondados e com casca lisa. Para consumo imediato o fruto é colhido maduro; para transportar colher o fruto "de vez". Cada planta pode produzir 300kg de frutos/safra (15.000 frutos). Um hectare com 100 plantas, produziria 30 toneladas. O umbu é considerado produto vegetal de extração (não cultivado), coletado em árvores que crescem espontaneamente. Em 1988 a produção brasileira foi de 19.027t e da Bahia 16.926t. As regiões econômicas do Baixo Médio São Francisco, Nordeste e Sudoeste são importantes produtoras de umbu na Bahia.

Flor de Umbu

Utilidades do Umbuzeiro

Vários órgãos da planta são úteis ao homem e aos animais:

Raiz 

Batata, túbera ou xilopódio é sumarenta, de sabor doce, agradável e comestível; sacia a fome do sertanejo na época seca. Também é conhecida pelos nomes de batata-do-umbu, cafofa e cunca; criminosamente é arrancada e transformada em doce - doce-de-cafofa. A água da batata é utilizada em medicina caseira como vermífugo e antidiarréica. Ainda, da raiz seca, extrai-se farinha comestível.

Folhas 

Verdes e frescas, são consumidas por animais domésticos (bovinos, caprinos, ovinos) e por animais silvestres (veados, cagados, outros); ainda frescas ou refogadas compõem saladas utilizadas na alimentação do homem.

Fruto 

O umbu ou imbu é sumarento, agridoce e quando maduro, sua polpa é quase líquida. É consumido ao natural fresco - chupado quando maduro ou comido quando "de vez" - ou ao natural sob forma de refrescos, sucos, sorvete, misturado a bebida (em batidas) ou misturado ao leite (em umbuzadas). Industrializado o fruto apresenta-se sob forma de sucos engarrafados, de doces, de geléias, de vinho, de vinagre, de acetona, de concentrado para sorvete, polpa para sucos, ameixa (fruto seco ao sol). O fruto fresco ainda é forragem para animais. A industrialização caseira do umbu sugere os seguintes produtos:

- Fruto maduro: polpa para suco integral, casca para obtenção de pasta, casca desidratadas ( ao sol ou forno) e moídas para preparo de refrescos, xarope;

- Fruto "de vez" (inchado) ou verde: umbuzadas, pasta concentrada, compota;

- Fruto verde (figa): umbuzeitona, doce de umbu;

- Casca do caule: remédio;

- Folhas: salada da folha verde e salada refogada da folha.

Umbu - Fruto do Umbuzeiro

Fonte: paisagismodigital.com

Fonte: revistagloborural.globo.com

100 gramas de polpa do fruto contém:

44 calorias
20mg de cálcio
2mg de ferro
0,6 g de proteína
14 mg de fósforo
30 mg devitamina A
0,04 mg de vitamina  B 1


Fonte do texto:
http://www.seagri.ba.gov.br/revista/rev_1198/umbu.htm
 
 
 

3 comentários:

Lusa Vilar disse...

Seu blog está cada vez mais bonito, suas postagens de muita informação e utilidade e ain da com uma pitada de saudade, pois além de ser nordestina, sou sertaneja, e o umbuzeiro é planta que me traz lembranças imorredouras da minha infância. Quando ia à casa da minha avó ela nos esperava com uma enorme panela de umbuzada, uma delícia que trzia um toque especial: o amor com que ela fazia essa iguaria para oferecer aos netos. Obrigada por essa oportunidade de sentir o gosto, mesmo virtual, da comidinha da minha inesquecível vozinha. Um grande abraço.
Obrigada, ainda, por postar o link para o meu "Raízes", aqui no seu blog.

Val Minillo disse...

Olá Lusa Vilar!!

Sinto-me abençoado pelo vosso comentário nesta postagem sobre o Umbuzeiro, neste novo tópico "NORDESTINISMO" que estou lançando neste Blog.

Fiquei extasiado quando comi o fruto de umbu pela primeira vez!! (Aos 50 anos). Me transportou para a minha infância no cerrado matogrossense, em minhas catações de frutos silvestres.

Na Cidade em que moro atualmente, ela foi colonizada por nordestinos e sulistas. Existem por aqui vários Umbuzeiros. De vez em quando eu visito estes pés de umbu, e sempre que posso faço uma média com a minha sogra levando para ela algus frutos de umbu selecionados!!

Ela gosta muito, pois, não poderia deixar de gostar; pois é pernambucana.

Obrigado pelo seu comentário Amiga Lusa!!

Na próxima postagem sobre nordestinismo, farei em dedicação a ti e a outros amigos nordestinos.

Abraços.

Reinaldo Belo da Silva disse...

Oi Val! Bom dia.
É co muito prazer que venho aqui para fazer esse comentário e te parabenizar por isso.
Sou filho de nordestino,meu falecido pai era pernambucano e sempre falava sobre essas comidas,mas eu nunca tive o prazer de experimentar.
Poste uma receita de doces do umbu no meu face book,ou me mande por e-mail.reinaldo-belo@hotmail.com.
Obrigado amigo,e parabéns.